3 de ago de 2011

"Mal" necessário


Sempre que li sobra amamentação tive certeza que jamais a abandonaria.
Vi muitos casos de mães que nunca amamentaram, umas por opção e outras por falta dela. Depois sempre temos a informação de que quanto mais o bebê mama mais leite produzimos. 

Pois bem, quando ainda estava grávida de 6 meses, visitei uma amiga que tinha tido bebê há 1 mes apenas. Ela me relatou toda a sua peregrinação em busca da amamentação. Teve tudo que se tem direito, sofreu muito. Ela contou que usou um bico de silicone para proteger seu mamilo e num belo dia após sua filha tentar comer e muito puxar desistiram, ao olhar o bico de silicone havia um pedaço de seu mamilo nele. Foi a gota dágua. O fato é que ela havia comprado todos os equipamentos possíveis e feito fisioterapia e tal, mas nada deu certo. O conselho que ela me deu foi: Liz, quando Letícia nascer amamente. Use esses cremes aqui (me deu uns 3), dê massagem, faça o que puder, mas seja racional, respeite seu corpo e sua filha, não a deixe com fome!

Minha cunhada também sofreu muito, teve mastite, febre alta, também fez fisioterapia e conseguiu tratar, mas nunca amamentou exclusivamente, desde que saiu do hospital complementou com LA e meu sobrinho cresce forte, lindo e hiper gostoso e feliz (hj com 9 meses).

O meu caso, ah, esse foi demais!
Nunca tive problemas com a amamentação, desde o hospital Letícia fez uma boa pega. Gulosa como é aproveitou a descida do leite com sucesso. Eu era uma Bem Aventurada, pois não sabia o que era rachadura, mastite e febre....nada. Até que Letícia completou seus 3 meses e meio, a partir daí tudo mudou.

Meu leite começou a diminuir e eu tive que complementar com LA, porém, depois de uns 4 ou 5 dias o leite voltou com força total.
Todo mundo lá em casa achou maravilhoso. No final de semana Lele foi a forra durante o dia e à noite acabou dormindo 7h seguidas. Eu achei ótimo e dormi também, mas foi ai que meu problema se instalou.

Ao dar de mamar às 6h percebi um caroço na mama esquerda, quando deu 12h eu já não aguentava mais a dor e corri para uma mastologista. Enfim, fiz ultrassom e foi constatado que tava tudo infeccionado. Fiz pulsão e mesmo assim não resolveu. A infecção foi aumentando ao ponto de obstruir a saída do leite e eu desesperada com tanta dor optei por fazer o desmame - sequei o leite.

Chorei muito, perder o contato e a intimidade que tenho com Letícia foi difícil, mas ela também já não queria mamar, porque a angústia era tanta que ela sentia tudo e se negou a pegar a mama.

Hoje Letícia tem amamentação exclusiva, mas de LA, um "mal' necessário, mal que faz super bem, e por mais qe a gente tenha perdido o contato da pele, minha filha encontrou outra forma de demonstrar o seu amor pela mamãe. Hoje suas mãozinhas acariciam meu rosto, seus olhos continuam fixos nos meus...ela me ama tanto e mais quanto antes e eu morro de amor por ela.

Estamos felizes. Não há mais dor e Lele está cada dia mais sorridente. O LA veio a calhar e está cumprindo muito bem o seu papel.

A você, mãe, que necessita interromper a amamentação por situações semelhantes a minha, não fique se maltratando, lastimando, seu bebê não será o primeiro nem o ultimo a tomar LA. O que importa é alimentarmos nossos filhos, amá-los...eles crescerão firmes, fortes e felizes!

BJs o/

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Você poderá também gostar de: